Blog ImpulseUP

PDI: o que é e como usar

Nem sempre um colaborador se desenvolve apenas com as atividades de rotina que faz no dia a dia. Para garantir o crescimento dos funcionários da empresa, é essencial montar um planejamento detalhado e personalizado, o PDI.

O PDI, Plano de Desenvolvimento Individual, é uma das formas mais eficazes de monitorar o desenvolvimento de diferentes competências de um colaborador. 

Mas para ser mesmo efetivo, é necessário saber como montar um PDI da forma correta. É isso que você vai aprender neste artigo!

Objetivos do PDI

Um dos principais propósitos do PDI é desenvolver colaboradores com clareza, direcionamento e identificação. Dessa forma, estimula-se a motivação e o engajamento de cada funcionário a partir dos pontos fortes e fracos de cada um. 

Um Plano de Desenvolvimento Individual será melhor aceito pelo colaborador se ele se sentir parte do processo. Por isso, é indispensável que na hora de montar as ações de desenvolvimento, estejam presentes funcionário, gestor e profissional de RH.

O colaborador se identifica e se empolga mais em cumprir aquelas tarefas uma vez que a montagem das metas foi feita em conjunto com ele.

Vantagens do PDI

Montar PDIs para os funcionários garante algumas vantagens, como:

  • Aumento da produtividade e do engajamento;
  • Maior probabilidade de cumprimento das metas;
  • Motivação dos colaboradores;
  • Mais organização;
  • Aproximação entre colaborador e gestor e muitas outras.

PDIs são uma ferramenta poderosa e eficiente para a gestão de carreiras. Isso porque normalmente os planos de desenvolvimento individuais normalmente são criados com um objetivo específico, como melhorar habilidades interpessoais, implementar novos projetos ou ainda preparar para uma promoção.

Os PDIs não têm uma duração fixa pré-estabelecida, é importante pontuar. O mais normal é que durem de 3 meses a 1 ano. PDIs podem ser de curto, médio ou longo prazo.

Cuidados importantes

Para não se perder no meio de diferentes metas ou se desmotivar, uma boa dica é diminuir as metas maiores em menores. Assim, você consegue acompanhar o andamento de cada uma com mais precisão. 

Também é importante centralizar o PDI em apenas uma plataforma, para que as informações não se percam ou fiquem desatualizadas. Hoje, as plataformas em nuvem oferecem mais segurança para guardar as informações e montar um histórico que possibilita um acompanhamento maior.

Quanto mais consistente o PDI for, maiores as chances de sucesso. Para isso, é indispensável que os planos de ação sejam consolidados sob bases sólidas, como os resultados de uma avaliação de desempenho.

A partir dos resultados, é possível montar PDIs com base nas competências que o colaborador precisa desenvolver. Junta-se a isso a formulação de ações que vão desenvolver esses pontos.

Passo a passo para aplicar PDI

Defina objetivos e metas

Antes de pensar no que fazer, pense onde você precisa chegar. Como ter um funcionário da área de suporte ao cliente que não se comunica bem prejudica o andamento dos projetos? Por que é importante que ele se capacite em comunicação? Já houve algum problema decorrente disso?

Pense também nas metas da empresas. Qual a responsabilidade de cada colaborador em relação aonde a empresa quer chegar?

As ações devem estar sempre alinhadas com o desenvolvimento de competências importantes para as metas das equipes e objetivo da empresa. 

Análise de custos

Depois de pensar nos objetivos e metas, é uma boa pensar em quanto dinheiro você pode investir nesse processo. Quais são as alternativas, o que vai atender melhor a demanda.

Um processo de avaliação de desempenho vai fornecer dados consistentes. Vale a pena fazer por planilha? Ou vai ser mais fácil contratar um software?

Se for preciso contar com serviços externos, é bom verificar o orçamento. Calcule o retorno do investimento que é feito na área de RH (o ROI). Será que vale a pena continuar com as planilhas, levando em consideração todo o trabalho e tempo gastos?

Se a dificuldade é convencer a diretoria sobre a necessidade do projeto e aprovar o orçamento, aqui entram os dados. O ROI consegue provar o prejuízo de um colaborador com baixa produtividade, por exemplo. O PDI é uma forma eficiente de desenvolver esse colaborador.

Observação dos colaboradores

Se ainda não tiver feito um mapeamento de competências ou a avaliação de desempenho, é bom, pelo menos analisar, os colaboradores e as equipes. Mapear pontos de tensão, situações mais delicadas.

Pense em colaboradores que estão tendo conflitos de interesse, dificuldades em desempenhar as tarefas, desmotivação. Alguns questionamentos importantes que podem ser feitos aqui são: Será que esse colaborador não precisa de ajuda nesse projeto? Ele está feliz nessa área ou é melhor transferi-lo? 

É importante que os funcionários sejam acompanhados. Quando falta esse acompanhamento, pode haver um descompasso entre o que o líder acredita que o colaborador esteja fazendo e o que ele realmente tem feito.

Dessa forma, você já vai poder começar a pensar em alternativas que vão ajudar a desenvolver os colaboradores. Também é essencial que sua empresa mapeie as competências importantes para cada área.

Uma boa forma de definir as competências e o potencial de um colaborador é pensar: o que ele alcançaria em um cenário ideal, com os treinamentos adequados?

Criar cronograma

Depois de alinhar o que se espera dos PDIs e quanto será gasto com o processo, é hora de pensar um cronograma. Assim, você terá uma noção melhor do desenvolvimento do projeto.

Também é possível, com uma agenda, alinhar às metas da instituição.

Feedbacks

Depois que a avaliação de desempenho foi feita, é hora de passar feedbacks para os colaboradores. Eles precisam saber o que fundamenta a nota que foi dada e como melhorar os pontos fracos.

Os feedbacks são indispensáveis para o desenvolvimento. É a partir do momento que o funcionário está ciente da sua situação, com pontos fortes e fracos bem definidos, que ele se sente mais preparado para pensar nas ações de desenvolvimento.

É importante ressaltar que o PDI será mais eficiente se for pensado em conjunto, com base nos dados da avaliação. Quando ele é imposto pela diretoria, pode não ser compatível e não ter adesão do colaborador.

Conclusão

Apesar de ser uma estratégia cada vez mais usada nas empresas, o PDI também pode ser usado até mesmo em nossa vida pessoal. É um método que alinha expectativas guiando de forma prática e resolutiva para o resultado.

Os planos de desenvolvimento individuais são aliados poderosos do time de Gestão de Pessoas.  É uma forma prática de acompanhar o desenvolvimento e, assim, garantir um colaborador mais engajado, satisfeito e produtivo!

Agora que você já entendeu o que é PDI, como usar e alguns dos inúmeros benefícios que ele pode trazer para sua empresa, é hora de testar!

Baixe nossa planilha gratuita com modelo de Plano de Desenvolvimento Individual:

Deixe um comentário