Blog ImpulseUP

Competências técnicas e competências comportamentais na avaliação de desempenho

Apesar de não haver consenso sobre o conceito de competência, no contexto organizacional competências envolvem uma combinação de conhecimentos práticos e teóricos, habilidades cognitivas e emocionais, comportamentos e valores ligados ao desempenho de funcionários. Competências são, portanto, o conjunto de atributos, geralmente classificados como conhecimentos, habilidades e atitudes, que capacitam um indivíduo a desempenhar um papel específico dentro de uma organização.

As competências técnicas e comportamentais aplicam-se ao nível de desempenho individual. Correspondem às habilidades e características comportamentais necessárias para um funcionário ter sucesso e variam de acordo com a função ocupada dentro da empresa. Enquanto o conhecimento e o know-how do funcionário fazem parte das competências técnicas, seus valores e atitudes serão considerados competências comportamentais.

Exemplo de competências técnicas – uma função de TI precisaria de alguém com um forte conhecimento de segurança do sistema, software ou plataformas específicos que usadas na empresa, e assim por diante.

Exemplo de competências comportamentais – uma pessoa de TI pode precisar de atenção aos detalhes, empatia, raciocínio rápido, resolução de problemas e uma boa memória para poder desempenhar bem sua função.

As competências técnicas e comportamentais diferenciam-se das competências organizacionais, que se referem às competências essenciais de uma organização em um nível mais amplo. As competências organizacionais são compartilhadas por todos dentro da empresa e orientam as expectativas da organização frente ao desempenho dos funcionários. Solução de problemas, integridade e foco no cliente são algumas competências organizacionais comumente definidas pelas organizações.

Quais as vantagens da avaliação de desempenho baseada em competências técnicas e comportamentais?

“A pior coisa do que treinar seus funcionários é deixá-los sair é não treiná-los e vê-los ficar”.

Supostamente, esta é uma frase de Henry Ford. As dúvidas sobre a autoria e a veracidade desta informação não anulam sua importância. A ausência de um bom modelo de gestão de competências contribui para que bons funcionários deixem de ser valorizados e, assim, saiam da organização, bem como contribui para a permanência dos funcionários menos eficientes e pouco alinhados com a empresa.

Desenvolver funcionários há muito mostrou-se uma ferramenta importante para o sucesso organizacional; entretanto, reconhecer as necessidades de desenvolvimento de forma precisa consiste em um importante diferencial competitivo.

Muitos profissionais de RH estão empregando o modelo de competência competitiva para fortalecer quase todas as dimensões do gerenciamento de talentos – desde recrutamento e gerenciamento de desempenho, treinamento e desenvolvimento, planejamento de sucessão e muitos mais.

Um modelo de competência profissional é uma descrição abrangente, baseada em comportamento observáveis e mensuráveis, que os funcionários atuais e potenciais e seus gerentes podem usar para medir e gerenciar o desempenho e estabelecer planos de desenvolvimento.

Uma organização não pode reconhecer e desenvolver desempenhos superiores sem primeiro identificar o que considera um desempenho superior. Portanto, criar uma estrutura de competência é fundamental para o sucesso do funcionário e da empresa.

Funcionários valorizam a oportunidade de receber feedbacks justos, fundamentados e que contribuam para seu desenvolvimento. Avaliação de desempenho, quando bem conduzida, está associada a desenvolvimento pessoal e crescimento profissional e acaba tornando-se um importante instrumento de retenção de funcionários.

Portanto, a ideia de avaliação de desempenho associada a punição, competição está (ou deveria estar) ultrapassada.

Benefícios das análises baseadas em competências para a empresa

  • Desenvolver funcionários e elevar os níveis de seu conjunto de habilidades.
  • Melhorar comunicação entre a gerência e os funcionários.
  • Fundamentar as análises de desempenho por meio de relatórios detalhados.
  • Permitir a resolução mais rápida dos problemas e o reconhecimento das realizações por meio de feedbacks regulares.
  • Acompanhar os níveis de habilidades e comportamentos dos funcionários e seus processos de adaptação à empresa
  • Reduzir os custos relacionados ao baixo desempenho e à baixa produtividade dos funcionários

Benefícios das análises baseadas em competências para o funcionário

  • Ter uma imagem mais clara de como eles contribuem para os objetivos de empresa.
  • Motivar os funcionários a se desenvolverem e darem o melhor de si.
  • Melhorar compreensão da necessidade de desenvolvimento de novas habilidades.
  • Aumentar a satisfação no trabalho e consequentemente o envolvimento dos funcionários.
  • Perceber de forma clara como seu desempenho melhorou com o tempo.
  • Ter suas realizações e contribuições documentadas e reconhecidas pela gerência.

Ao avaliar e sugerir melhorias nas competências, as empresas mostram que estão realmente interessadas no crescimento de seus funcionários. Tais medidas ajudam a aumentar o envolvimento dos funcionários no local de trabalho e as empresas também conseguem colher os benefícios desse aumento dos níveis de produtividade e desempenho.

Como implementar competências técnicas e comportamentais na avaliação de desempenho?

As competências precisam ser definidas antes de serem identificadas nas organizações. Definir competências e como elas se aplicam à organização é uma parte crucial do desenvolvimento de um modelo de competências. Geralmente, as competências são demarcadas como capacidades que ajudam as organizações a alcançar objetivos estratégicos e de negócios.

Como mapear?

Em primeiro lugar, é preciso ter clara a distinção entre mapeamento de competências e descrição de cargos. Uma das armadilhas mais comuns com as quais as organizações se deparam é que, ao criar um modelo de competência, elas se concentram demais nas descrições de cargos, em lugar dos comportamentos de um funcionário. O problema deste método tradicional é o tempo que leva para ser construído.

Competências são padrões observáveis ​​e mensuráveis ​​de habilidades, conhecimentos, e atitudes que um indivíduo precisa para desempenhar com êxito funções de trabalho ou funções ocupacionais.

Portanto, os gerentes de linha participam do mapeamento de competências junto com o RH, para definir as competências críticas atuais e futuras das funções existentes em seus departamentos. As competências mapeadas devem ser visíveis e reconhecidas para que sejam posteriormente avaliadas de forma adequada e fundamentada.

Como avaliar?

Um ponto importante da avaliação de desempenho baseada em competências, e frequentemente negligenciado, é o investimento nas competências de avaliação dos gerentes de linha (e não apenas do RH).

Avaliação de desempenho não é um processo pontual e localizado, ainda que muitas vezes seja realizado em momentos específicos estabelecidos pela organização. Além disso, é fundamental que o funcionário avaliado entenda completamente o que se espera que seja alcançado (objetivo de desempenho) e como as metas serão cumpridas (competências-alvo) no início do ciclo de avaliação de desempenho.

Como desenvolver?

Na maioria das vezes, a educação prévia dos funcionários não é suficiente para garantir que eles tenham um bom desempenho em seus empregos. Com o contexto de mudanças intensas que o mundo vive, essa disparidade entre a bagagem do funcionário e o repertório de competências requeridas fica ainda mais evidente. O desenvolvimento de competências não é, portanto, um sinal de incompetência dos funcionários, mas sim um investimento permanente para garantir a competitividade organizacional.

A questão é: onde focar os esforços de desenvolvimento, em um contexto onde as lacunas de competências tendem a ser muitas?

Um critério de priorização que pode ser usado é o investimento em competências do futuro, e não apenas nas lacunas de competências. Outro critério de priorização é o investimento em competências comportamentais, reconhecidas como formas de lidar com as mudanças organizacionais atuais.

Funcionários com habilidades comportamentais fortalecidas mostram-se aptos a aprender novos conhecimentos e técnicas, enquanto o contrário parece ser mais difícil (funcionários com competências técnicas robustas têm mais dificuldade ou levam mais tempo para desenvolver competências comportamentais estratégicas).

O papel crucial dos gerentes e chefes na avaliação de desempenho com base em competências

O gerenciamento de desempenho é uma das partes mais importantes do trabalho de um supervisor ou líder de equipe. O desenvolvimento de habilidades de gerenciar desempenho é um investimento inteligente para as empresas – um investimento que as ajudará a alcançar seus objetivos estratégicos.

A avaliação de desempenho é cotidiana e dá-se no interior das equipes, muitas vezes longe do olhar do RH. Envolve planejar o trabalho e definir expectativas, tanto de equipe como individuais; monitorar e medir o desempenho; desenvolver capacidades; e reconhecer e recompensar o bom desempenho. A prática de um bom gerenciamento de desempenho requer proficiência em certas competências por parte de chefes de equipe, líderes e supervisores, e incluem:

Comunicação

Estabelecer e manter uma comunicação eficaz com cada funcionário não apenas requer boas habilidades de comunicação oral e escrita, mas também inclui a capacidade de estabelecer boas relações de trabalho. Para se comunicar efetivamente com os funcionários, os supervisores devem estabelecer um ambiente que promova uma atmosfera de porta aberta, o compartilhamento de idéias e o envolvimento dos funcionários nos processos de tomada de decisão.

Estabelecer objetivos

Estabelecer metas de longo e curto prazo com os funcionários dá foco aos esforços dos funcionários. Quando o estabelecimento de metas é feito corretamente, os funcionários se esforçam para alcançá-las e se sentem confiantes em alcançá-las. Quando o estabelecimento de metas é mal executado, o trabalho não avança conforme desejado. Saber como definir metas de maneira eficaz é uma parte importante do gerenciamento de desempenho. Para fazer isso bem, os supervisores precisam ser capazes de esclarecer as expectativas e estabelecer padrões e metas realistas.

Medir o desempenho dos funcionários

Medidas de desempenho realistas e que os funcionários entendam e aceitem são fundamentais para alcançar um desempenho de alto nível. Medir as realizações dos funcionários, usando medidas qualitativas e quantitativas, fornece as informações de que supervisores e funcionários precisam para monitorar o desempenho.

Dar feedback

O feedback deve informar, esclarecer e sugerir melhorias aos funcionários em relação ao seu desempenho. Os supervisores devem descrever comportamentos ou resultados específicos relacionados ao trabalho que observaram o mais próximo possível do evento.

Coaching e Desenvolvimento

Usando suas habilidades de treinamento, os supervisores avaliam e atendem às necessidades de desenvolvimento de seus funcionários e os ajudam a selecionar diversas experiências para obter as habilidades necessárias. Supervisores e funcionários criam planos de desenvolvimento que podem incluir treinamento, novas atribuições e, até mesmo, auto-reflexão.

Reconhecer

O reconhecimento efetivo dos funcionários é outra competência em gerenciamento de desempenho. Ser capaz de reconhecer genuinamente um trabalho bem feito é fundamental para fortalecer o compromisso dos funcionários de fazer o melhor possível. Os supervisores devem ter habilidade em usar programas formais de premiação, bem como em técnicas de reconhecimento informal, incluindo agradecimentos pessoais e expressar gratidão verbal nas reuniões da equipe.

Deixe um comentário

Natália Teles

Natália Teles

Mestranda em Educação pela Open University (Reino Unido). Graduada em Psicologia (Universidade de Brasília, 2007), especialista em Educação a Distância, Psicopedagogia Clínica e Institucional e Gestão de Pessoas. Possui vasta experiência em liderança de equipes e gestão de projetos nas áreas de gestão educacional, educação a distância e desenvolvimento de soluções educacionais. Docente universitária nas disciplinas de Liderança e Coaching, Recrutamento e Seleção de Talentos e Comportamento Organizacional. Lidera equipes de alto desempenho, possui interesse em tecnologias educacionais disruptivas e transita por temas como acessibilidade e sustentabilidade.