Blog ImpulseUP
cultura-de-feedbacks

Os benefícios de uma cultura de feedbacks bem estruturada

Para ter uma equipe com desempenho crescente e alta eficiência, é importante que a empresa esteja atenta ao clima organizacional. Implantar uma cultura de feedbacks contínuos pode ser uma ótima aliada neste processo.

Uma cultura de feedbacks diz respeito a priorizar o diálogo e deixar a comunicação entre funcionários e gestores o mais horizontal possível. Para isso, não basta marcar reuniões mensais com esse objetivo e deixar o ambiente desconfortável e formal.

Aprenda porque desenvolver esses hábitos pode ajudar a instituição e como aplicá-los.

Benefícios

Quando começamos a acumular descontentamentos no ambiente de trabalho, o andamento das atividades pode ser prejudicado. Conflitos internos atrapalham o desenvolvimento e a qualidade dos projetos.

Uma vez que a cultura de feedbacks começa a ser implementada, os funcionários entendem que o clima é favorável a críticas construtivas, sugestões e comentários. Sentem-se mais confortáveis para participar da construção dos projetos e ficam mais engajados.

Observe alguns pontos que uma cultura de feedbacks bem estruturada pode melhorar:

1- Satisfação

Quando um colaborador percebe que suas ideias são bem-vindas (e levadas em consideração), consequentemente se sentirá mais à vontade para cumprir as demandas atribuídas a ele. A satisfação com o ambiente de trabalho aumenta.

Da mesma forma, quando o gestor se mostra preocupado em dar retorno aos funcionários, ele proporciona a eles uma oportunidade de crescimento. Ao reconhecer os erros cometidos, é possível eliminá-los e otimizar o trabalho.

Também é positivo para as lideranças saber o que a equipe pensa das atividades que vem desempenhando. É uma forma de ter uma outra opinião e a certeza de que o trabalho está na direção certa ou o que precisa ser aprimorado.

2- Aperfeiçoamento

Quando trocar feedbacks vira um costume, o trabalho de cada um na equipe é acompanhado mais de perto. Isso dá ao funcionário a possibilidade de desenvolver ao máximo suas habilidades, uma vez que os retornos mais frequentes otimizam o processo.

Pode ser uma boa oportunidade também para investir em treinamentos e capacitação. Enviar materiais como artigos, ebooks, vídeo-aulas e outros pode incentivar que os colaboradores busquem mais informação.

Um profissional mais atualizado pode trazer insights preciosos para os projetos.

3- Diálogo

Feedback é diálogo. Diálogo é feedback. Esse benefício é, talvez, um dos mais óbvios. A comunicação colaborador-gestor ou entre colaboradores fica mais clara e efetiva quando a equipe exercita a habilidade de reconhecer erros e ressaltar qualidades.

Quem passa feedbacks também demonstra preocupação e exerce a empatia. Este hábito pode fortalecer laços e amizades dentro e fora do ambiente profissional.

Além disso, pode tranquilizar um membro da instituição que passa por um momento difícil: ele passa a saber que ali receberá apoio e incentivo para driblar a adversidade e pensar em planos de ação.

4- Ambiente agradável

Enumerar este benefício apenas reforça o que os outros pontos dizem. Funcionários mais satisfeitos constroem uma relação melhor dentro do local de trabalho.

Consequentemente, haverá mais diálogo e os resultados da equipe serão aperfeiçoados. O trabalho será mais dinâmico e pode se tornar até mesmo mais lucrativo, uma vez que os processos estão sendo aprimorados com mais frequência por meio de feedbacks contínuos.

Um ambiente mais agradável também é favorável à criatividade.

Como implantar uma cultura de feedbacks?

O primeiro passo é esclarecer para colaboradores e líderes como uma cultura de feedbacks pode ser importante. Pontuar benefícios e ensinar uma boa forma de fazer comentários construtivos.

Para saber quais serão as dificuldades nessa jornada, é preciso que os gestores identifiquem as características dos profissionais que trabalham com ele. Ao colocar na ponta do lápis os diferentes modos de trabalho, atributos e personalidades, o líder consegue mapear quem terá mais facilidade ou será mais resistente às críticas e comentários, por exemplo.

Depois disso, pode ser proveitoso investir em capacitações (para líderes e/ou colaboradores, de acordo com o que for melhor para a empresa). Qual a melhor forma de passar feedbacks? Qual a mais adequada?

Assimilar um novo hábito leva tempo. Dessa forma, para que todos encarem a troca de feedbacks como algo natural, é preciso acabar com a ideia de uma reunião formal ou encontros marcados previamente com esse objetivo. Quanto mais descomplicado e acessível, melhor.

Encare como conversas com o objetivo de alinhar as metas da equipe, por exemplo. A partir daí, os acertos são reconhecidos e analisa-se o que pode ser melhorado. O que falta para atingir o que foi planejado? Como será possível chegar lá?

É importante que os feedbacks sejam construtivos, foquem em situações específicas e tenham sugestões.

Criar algum sistema para receber sugestões, elogios e críticas pode ser útil, mas a ferramenta não pode substituir o contato direto.

Como manter uma cultura de feedbacks?

É normal que, com o tempo, os ânimos esfriem. Para conseguir manter uma cultura de feedbacks, os gestores precisam insistir no hábito e passar retornos esporádicos para seus colaboradores.

As equipes de Marketing e Recursos Humanos podem trabalhar em conjunto para desenvolver ações de endomarketing que engajem mais os colaboradores. Uma avaliação de desempenho pode mostrar, por exemplo, se os feedbacks têm tido resultados.

Para isso, pode-se comparar resultados de diferentes avaliações e observar como alguns funcionários se encontram na matriz ninebox, por exemplo.

Marcar encontros para feedbacks coletivos dentro das equipes com certa periodicidade pode ajudar a fixar o costume. Um colaborador incentivado a falar sobre o trabalho que está desempenhando pode se sentir estimulado, assim, a reconhecer o trabalho de um amigo.

Modelo de feedback

Um modelo prático e simples, aplicado em muitas empresas de diferentes segmentos é o SCI. Ele se baseia em observar a Situação, o Comportamento e o Impacto.

1- O que aconteceu?
2- Como aquela pessoa, para quem o feedback será passado, agiu?
3- Como a atitude dela impactou você ou a equipe?

Exemplo: João, na reunião de ontem, você bateu as mãos na mesa e ficou resmungando. Isso assustou os colegas e os deixou desconfortáveis. Você tem alguma sugestão para o problema que tinha sido apresentado?

Quer ter um material completo com tudo que você precisa para passar os melhores feedbacks? Baixe aqui o nosso kit totalmente gratuito.

Conclusão

Implementar e manter uma cultura de feedbacks contínuos pode ser desafiador. É importante que a tarefa não seja atribuída a uma só pessoa. Todos precisam entender como ter retornos do trabalho é essencial para um desempenho cada vez melhor.

Os benefícios são muitos e vale a pena tentar!

Deixe um comentário