Blog ImpulseUP

Modelos de feedback: confira os melhores

Um gestor que desenvolve o hábito de passar feedbacks para a equipe com certeza vai colher ótimos resultados. Mas nem sempre é fácil começar, principalmente se não existe uma cultura de feedback na empresa. É por isso que seguir alguns modelos de feedback pode ajudar.

Uma pesquisa da Hubspot mostra que, nas empresas consultadas, 43% dos funcionários com maior rendimento recebem feedbacks ao menos uma vez por semana. E 73% consideram que ter esse retorno é muito importante para o crescimento.

Neste artigo, vamos te mostrar alguns dos modelos de feedback mais usados nas instituições. Continue com a gente para ver qual deles combina mais com a sua empresa.

Por que passar feedbacks?

Dar retorno para os funcionários a respeito da performance deles gera bons resultados para todos os envolvidos: quem passa, quem recebe e a organização como um todo. Isso porque quando um colaborador sabe onde precisa melhorar, tem um rendimento melhor.

Passar feedbacks constantes também é importante para que um pequeno problema não vire uma bola de neve muito maior. Quando os retornos são dados com mais frequência, há um acompanhamento mais próximo.

O clima do ambiente de trabalho também melhora de forma notável. Quando a relação gestor-colaborador ou entre colaboradores do mesmo nível hierárquico é fortalecida por feedbacks, todos se sentem mais à vontade.

De forma um pouco menos direta, uma cultura de feedbacks bem estruturada ajuda até mesmo no cumprimento das metas da empresa.

Aprenda modelos de feedback

SCI

Agora que você já viu como é importante dar esse retorno para os profissionais da sua empresa, é hora de ensinar um passo a passo. Um dos métodos mais eficientes é o SCI.

SCI significa Situação, Comportamento e Impacto. Esses serão os pilares do feedback. Para aplicá-lo, então, você deve primeiro descrever a situação. Como estava o ambiente, em que ocasião. Situar a pessoa para que ela saiba, com precisão, quando aconteceu o que você vai citar.

Depois, descreva como a pessoa se comportou naquele contexto. É importante que você passe a informação de forma objetiva. Alguns usam a dica de fazer a pergunta “O que uma câmera veria se estivesse ali?”, porque assim descrevemos a situação e o comportamento sem exageros, de acordo com o que realmente aconteceu.

Por fim, fale como aquele comportamento impactou as pessoas presentes. O SCI vale tanto para feedbacks positivos quanto construtivos. Vamos ver um exemplo para esclarecer?

Mariana, ontem na reunião de alinhamento (situação) você bateu as mãos na mesa (comportamento) e assustou alguns colegas. Eles ficaram com a impressão de que você não aceita bem as ideias de outras pessoas (impacto). 

Feedbacks sem juízo de valor

Deve-se tomar muito cuidado na hora do feedback para não impregnar a mensagem de impressões pessoais. Isso pode acontecer em momentos de críticas mais delicadas e feedbacks construtivos

Por isso, é sempre indispensável pensar na maneira de falar o que precisa ser falado de forma clara. Não generalize comportamentos, evite usar expressões como “nunca” ou “sempre”, elas dificilmente são usadas da forma correta.

Veja a diferença em dizer “Você está sempre atrasado e atrapalha a entrega de todas as demandas!” e “Na semana passada você chegou atrasado em três dias seguidos e, por isso, atrapalhou uma entrega que precisava ser feita naquele dia”. 

Preze sempre pela clareza, elimine as generalizações e os juízos de valor. 

Faça uma check list

Até que passar feedbacks torne-se um hábito ou até mesmo uma cultura, é bom criar uma check list para não esquecer nada. Vamos enumerar alguns passos importantes:

  • Organize o que precisa ser dito: para não esquecer nada, faça anotações em um bloco de notas ou caderninho durante a semana. Se você realizar feedbacks mensais ou quinzenais, vá escrevendo o que precisa ser dito sempre. Dessa forma, é mais difícil esquecer alguma coisa importante na hora da reunião.
  • Saia do ambiente diário: ir para um lugar mais descontraído pode ajudar os envolvidos no feedback a se sentirem mais à vontade. Se não for possível um ambiente aberto, ao ar livre, uma sala diferente já ajuda. 
  • Na hora de falar, seja empático: imagine se você gostaria de ouvir uma crítica, um ponto de melhoria, da forma que você pretende falar para a pessoa. Às vezes, um comentário feito no calor do momento pode machucar e ter o efeito contrário, deixar quem recebe o feedback totalmente fechado a novos comentários. Pense “Como eu posso ajudar essa pessoa a melhorar em relação a isso?”.
  • Ajude a pensar em planos de ação: tão importante quanto apontar pontos que podem ser melhorados é ajudar a pessoa a crescer de fato. Por isso, dê exemplos práticos e ajude a criar planos de ação. Os PDIs são métodos muito eficientes e usados em empresas preocupadas com o desenvolvimento dos colaboradores.

Acompanhamento de feedbacks

Também é muito importante fazer a gestão e o acompanhamentos destes feedbacks para ter uma continuidade. Uma ferramenta, como um software, pode ser muito proveitosa nesse momento.

Temos um artigo que explica bem como esse controle pode ser feito a partir da ImpulseUP. Se quiser saber mais, clique aqui.

Conclusão

O processo de tornar esses comentários de retornos mais naturais no ambiente corporativo pode ser difícil e leva tempo. Mas é essencial. Esperamos que os modelos de feedback do texto te ajudem!

Se você se interessa no assunto, aqui também explicamos como fazer reuniões one on one. Para saber mais, acesse nosso kit completo de orientação de feedbacks abaixo:

Deixe um comentário