Blog ImpulseUP

Tipos de talento nas empresas: quais são e como identificá-los

Os colaboradores, em tese, estão aptos para os cargos que desempenham, mas também existem aqueles que estão no processo de aprendizado sobre suas funções. No entanto, cada um possui uma habilidade e competência intrínseca. Os tipos de talento na empresa são variados e cada um se complementa com o outro.

Alguns talentos são mais requeridos que outros. Isso depende do segmento da empresa e da sua cultura organizacional. Por isso, fizemos uma lista daqueles que estão mais presentes no dia a dia das instituições.

Tipos de talento na empresa

Influência

Algumas pessoas possuem o poder de influência na organização. Sabe aquelas pessoas que não precisam falar 2 vezes para convencer as outras? Então. Geralmente essas pessoas estão em cargo de liderança. As que ainda não estão, provavelmente vão crescer rumo a esse caminho.

Esses colaboradores, em especial, usam a comunicação para impactar as ideias, emoções, motivação e ação dos outros ao seu redor. Essa estratégia pode ser considerada tanto uma habilidade quanto uma competência no meio corporativo.

Criatividade

Quando falamos de negócios, a criatividade está diretamente ligada à inovação e é por isso que tantas empresas investem nesse setor. No entanto, essa característica também pode ser encontrada pelos corredores dos prédios empresariais, longe do glamour das marcas “jovens”.

Existem colaboradores que usam da criatividade para melhorar o seu dia a dia normal, fazendo piadas, por exemplo. Mas outros utilizam a criatividade com fins mais estratégicos, como, por exemplo, encontrando soluções nunca antes encontradas, criando materiais e apresentações totalmente diferentes dos padrões, trazendo novas práticas e conceitos de dinâmicas e relacionamentos em grupos de trabalho.

Enfim, são várias as formas de expressão que tornam essa habilidade essencial nos ambientes corporativos. Nesse cenário, cabe ao RH trabalhar mais nesse aspecto, para que os funcionários saiam das suas zonas de conforto e encontrem novos caminhos em que a criatividade possa ser demonstrada.

Falar em público

Mesmo que falar em público seja técnica, as pessoas ainda têm dificuldade quando se trata desse assunto. Em 2015, o jornal britânico Sunday Times realizou um estudo sobre o medo das pessoas de falar em público. Esse temor é maior até mesmo que o de problemas financeiros, doenças e morte. Dos três mil entrevistados no Reino Unido, 41% responderam que o medo de falar em frente a pessoas é o maior.

Por isso, quem domina esse cenário domina também a arte da comunicação. Quando o colaborador tem confiança para se expor dessa forma, acaba ganhando a confiança dos seus colegas de trabalho e dos seus superiores.

Pensamento estratégico

As pessoas são movidas pelas emoções, principalmente pelo medo. Mas em uma corporação, quem desenvolve o pensamento estratégico já ganha espaço e destaque na visão de seus superiores. Colaboradores com essa qualidade sabem que para todo problema existe uma solução, por isso buscam pela melhor forma de resolverem os empecilhos do dia a dia.

Lidar com complexidades como análise de mercado, comportamento humano, mudanças rápidas e incertezas podem exigir uma compreensão firme de matemática, história, cultura, sociedade, tecnologia e economia. Isso significa que precisa haver uma série de estudos antes da tomada de decisão.

Nessa hora, o RH pode auxiliar oferecendo aos colaboradores cursos de lógica, criatividade e cálculo, de acordo com os tipos de talentos. Além de disponibilizar também aprendizados sobre técnicas específicas de desenvolvimento de estratégias.

Resiliência

Lidar com problemas, adaptar-se com mudanças repentinas, superar obstáculos e resistir à pressão de situações adversas, como estresse, é um talento muito requerido em uma empresa.

No entanto, também é um desafio encontrar pessoas resilientes, por isso, aquelas que se enquadram aqui ganham vantagens em relação aos colegas de trabalho. Essa característica pode ser adquirida de acordo com as experiências no dia a dia e se incorporar à personalidade do indivíduo, mas isso não significa que não possa ser aprendida e aprimorada ao longo do tempo.

O RH em conjunto com os profissionais que cuidam da mente tem uma presença de extrema importância na organização. Os psicólogos podem ajudar os colaboradores a desenvolverem essa qualidade mostrando-os outras formas de reagir perante os problemas.

Otimismo, tolerância ao desacordo, resistência, persistência, visão e atitude por exemplo, se encaixam como resiliência.

Autogestão

Ser capaz de planejar, direcionar e controlar as próprias ações é se autogerir com excelência. No meio profissional, esse controle do colaborador se expande para a realização de objetivos, sem que a presença do chefe seja solicitada o tempo todo. Em outras palavras, as pessoas agem por si só e tomam frente do que precisam fazer, são proativas.

Liderança

Os colaboradores que apresentam a liderança evidente em sua personalidade também se enquadram em todos os outros tipos de talentos na empresa. É como se essa característica fosse um conjunto de todas as outras citadas acima.

É claro que nenhum profissional é perfeito, sempre há o que aprender e desenvolver. No entanto, quem ocupa uma função de liderança também precisa ser líder em suas atitudes no dia a dia, ou seja, ter habilidades e competências mais desenvolvidas.

Vale salientar que para aqueles funcionários que demonstram seguir por esse caminho, o programa de desenvolvimento de líderes é uma ótima estratégia para aprimorar o que há de melhor e desenvolver o que há de escasso.

Como identificar esses tipos de talento?

Identificar os tipos de talento em uma empresa pode parecer desafiador à primeira vista. No entanto, com as ferramentas corretas, esse processo pode se tornar muito mais simples, ágil e preciso. Um recurso menos conhecido, mas bastante útil é a matriz nine box.

Essas análises são fundamentadas em dados claros que se dispõem em nove caixas diferentes formadas a partir de um gráfico. O eixo ‘x’, na horizontal, corresponde ao desempenho e regras atuais. Já o eixo ‘y’, na vertical, condiz ao potencial de crescimento futuro.

Dessa forma, é possível observar melhor todos os colaboradores e colocá-los nos lugares correspondentes para que o RH identifique quais são ou têm potencial para serem talentos.

Conclusão

Aprimorar as habilidades existentes, descobrir quais são e manter aquelas que já estão em um nível considerado bom é o desejo de todo RH. Mas esse processo requer atenção, cuidado e responsabilidade. Saber tudo sobre os tipos de talentos em uma empresa representa que a instituição sabe quem ela é e onde quer chegar.

Para ajudar nessa evolução, disponibilizamos um kit sobre Planejamento de Gestão de Sucessão de Talentos. Aproveite, faça o download agora!

Deixe um comentário