Blog ImpulseUP

Como estabelecer metas em tempos de crise?

Empresas bem sucedidas, antes de tomar qualquer atitude, planejam de forma precisa suas metas a curto, médio e longo prazo. No entanto, com esse momento de incerteza que estamos atravessando por conta do Coronavírus, COVID-19, definir objetivos e reestruturar finalidades antigas requer bastante atenção. Então, como estabelecer metas em tempos de crise?

A equipe de RH precisa ter em mente que, mesmo agora, as metas podem sim ser desafiadoras desde que sejam possíveis, ou seja, atingíveis. Portanto, nada de ideias mirabolantes, é preciso encaixá-las no contexto atual. Além disso, não é necessário jogar todos os planos passados fora, adaptá-los é muito mais fácil.

Analisando o cenário atual

Em um cenário delicado e vulnerável, onde não se sabe como serão os próximos meses, traçar metas se torna uma tarefa mais complicada do que em tempos normais. No entanto, deve-se rever os objetivos atuais e reformulá-los para que se encaixarem na realidade.

Antes dessa tomada de decisão, é importante avaliar o contexto, geral e específico, de tudo que está relacionado a empresa. Estudar e avaliar o mercado, o perfil de consumo dos clientes neste momento, as condições financeiras e até a necessidade de certos serviços.

Além disso, também é necessário criar um comitê para gestão de crises, assim a empresa passará por esse período com o mínimo de problemas possíveis. Outro ponto é usar a criatividade para surpreender os clientes e se mostrar presente na vida deles mesmo em momentos complicados assim.

Lincoln Murphy, um dos precursores do Customer Success (“Sucesso do Cliente”, em tradução livre), falou em um vídeo: “O momento é de estreitar relacionamento com os cliente”. Ou seja, devemos focar em ajudar o cliente nesse momento instável, e não vender a qualquer custo.

Após toda essa análise, é hora de reformular as metas que já tinham sido feitas e estruturar as novas. As metas precisam ser específicas, sistemáticas e com prazos muito bem definidos.

  • Curto prazo: aquelas que serão realizadas em menos de 6 meses. Por exemplo: adaptar as atividades ao home office e efetuar a redução de custos;
  • Médio prazo: são os objetivos que você espera concretizar dentro de um ano. Por exemplo: contratar novos colaboradores, abrir uma filial;
  • Longo prazo: são aquelas que você imagina realizar após 2 anos. Por exemplo: tornar a empresa referência no que se propõe a fazer, expandir para o restante do país ou ir para o exterior;

Então, as metas precisam ter uma data de realização, o valor necessário para que seja realizado, o número de colaboradores necessários e um propósito muito bem definido. Tudo isso alinhado à cultura organizacional da corporação.

Mesmo que acredite que a meta está bem formada, não deixe de revisá-la frequentemente. Muitas empresas criam planos de metas produtivos, mas esquecem de considerar as mudanças que ocorrem todos os dias no mercado.

Em uma outra ótica, a reformulação das metas também se encaixa para o ambiente interno do RH. Metas operacionais, de rotatividade, retenção de talentos, engajamento e produtividade dos colaboradores são alguns exemplos de objetivos que precisam ser revistos.

Nesse momento, tomar decisões inteligentes, que condizem com o contexto e preservem os propósitos estabelecidos, pode diferenciar a empresa no mercado atual. Muita tática e cautela é o recomendado.

Como revisar as metas passadas?

Antes disso tudo acontecer, muitas empresas já possuíam as metas traçadas para o ano de 2020. Mas com a mudança de cenário de forma rápida e turbulenta, é preciso que essas metas sejam revisadas. Claro que novos objetivos vão surgir, mas isso não quer dizer que os antigos tenham que ser esquecidos. Por isso, é interessante que haja revisão dessas metas já existentes.

Mas como fazer isso?

Após analisar todo o contexto atual com calma, é hora de perceber se aquelas metas ainda fazem sentido para o futuro da empresa. Retirar planos grandiosos, a depender da parcela de mercado que a empresa atua, pode ser uma boa atitude visto que a economia está tendo um retrocesso.

Além disso, priorizar metas que estejam diretamente ligadas com os clientes é imprescindível, por exemplo: se a empresa tinha uma meta de encantar os clientes, esta deve ser mantida e, com um pouco de criatividade, colocada em prática.

Mandar e-mail marketing desejando boas vibrações ou até mesmo comemorando o aniversário do cliente é uma ótima estratégia. Simples, porém eficaz. Nesse momento é mais importante se colocar como um parceiro dos seus clientes.

Portanto, se os objetivos pré existentes podem ser realizados durante a pandemia, é hora de colocá-los em prática. Se não, adequá-los ao cenário pode ser uma opção. Caso seja surreal demais, podem ser descartados ou realocados para um futuro próximo.

Como explicar aos colaboradores sobre as novas metas?

Depois de modificar e criar as metas da empresa, é hora dos gestores de RH apresentarem o novo plano para os colaboradores. Essa ação é muito importante para deixá-los alinhados com os novos propósitos da instituição.

Para isso, o RH precisa ser muito claro, contextualizado e didático ao explicar toda a nova dinâmica. Essa parte precisará ser feita online, em uma reunião onde estejam presentes todos os funcionários da empresa. Nesse momento, as ferramentas de comunicação digital disponíveis serão aliadas para que o objetivo seja concluído com sucesso.

Como estabelecer metas e engajar o time nesse momento de crise?

Feedback

A maneira mais simples e acessível de engajar os colaboradores para todas as empresas de pequeno, médio ou grande porte é o feedback. É importante que tantos os retornos individuais quanto aqueles em grupo aconteçam de forma recorrente, até para alinhar a equipe à comunicação organizacional.

Além disso, esse feedback precisa acontecer também dos colaboradores para os seus chefes, como uma forma de melhorar a comunicação interna e diminuir as burocracias.

Essas ações trazem satisfação entre os funcionários, o aperfeiçoamento de suas habilidades, o aumento do diálogo entre superiores e subordinados e gera sentimento de agrado, evitando assim, conflitos desnecessários.

PDIs

Treinamentos personalizados – e onlines – também podem fazer parte do dia a dia dos colaboradores da empresa. Para implementar essa ação, é necessário seguir alguns passos antes.

O primeiro deles é fazer uma avaliação de desempenho para identificar quais competências devem ser desenvolvidas ou conquistadas pelos colaboradores de acordo com a função e área de cada um. É válido lembrar que caso não seja possível fazê-la no momento, pode-se usar a última avaliação, aquela mais recente.

A partir daí, o segundo passo é construir um Plano de Desenvolvimento Individual – PDI, para resolver as dificuldades que foram apontadas nas avaliações. Esse projeto costuma ser bem específico, com os nomes das ações e a data final para realizá-las.

Lembrando que o ImpulseUP possui uma estrutura fantástica para facilitar a vida dos profissionais de RH nesse momento de aperfeiçoamento dos colaboradores. Um software que oferece uma solução completa para Gestão de Desempenho. Nele, é possível estruturar PDIs, feedbacks, metas e objetivos.

Recompensas

Uma outra forma de engajá-los nesse momento é oferecer recompensas para aqueles colaboradores que demonstram esforço e disciplina mesmo a distância. Mas não pense que será preciso investir muito nisso, seja dinheiro ou tempo, a criatividade pode ser um aliado muito importante para o RH.

Alguns exemplos são: um voucher de compras no futuro, reconhecimento perante a equipe em uma reunião, sexta-feira livre e descontos maiores nos produtos da empresa. Além disso, presentes criativos também são válidos, como mandar entregar cesta de café da manhã em casa e artesanatos nas datas comemorativas.

Evite desligamentos

Em tempos de crise, as empresas tendem a reduzir o seu quadro de funcionários a fim de reduzir os custos de forma imediata. No entanto, ao desligar, os colegas de trabalho são afetados, pois se sentem ameaçados, desmotivados e aquém da organização. Em um momento de extrema vulnerabilidade, conseguir evitar desligamentos é o ideal para superar os obstáculos.

Mas como nem todos podem viver no mundo ideal, muitas organizações se veem obrigadas a desligar seus funcionários. Nesse caso, o RH deve utilizar critérios claros e objetivos para sustentar essa tomada de decisão, como a avaliação de desempenho e o uso do nine-box.

Esses dois métodos servem para que o RH perceba e analise quais são os colaboradores que possuem um menor e maior desempenho profissional, e também aqueles que possuem menor e maior potencial de crescimento. A partir daí, a empresa consegue tomar decisões mais assertivas.

Vale lembrar que, se a sua empresa tem um histórico de resultados de avaliações, o melhor é analisar e basear suas decisões na evolução desses colaboradores e não apenas em um resultado único.

Metodologia OKR

Uma forma simples de traduzir as necessidades estratégicas da organização para junto dos colaboradores é a metodologia OKR (Objectives and Key Results), que visa organizar os objetivos e gerir as equipes com eficiência.

Por meio dessa metodologia, é possível acompanhar periodicamente as metas dos colaboradores e revisá-las, caso seja necessário.

Com uma visão geral das metas individuais e gerais da organização, o colaborador se sente mais engajado com a empresa e com suas tarefas.

Conclusão

Ter uma equipe estratégica é a maior vantagem que uma empresa pode possuir, já que, assim, consegue se adaptar mais facilmente a novas realidades, como por exemplo esta que estamos vivendo, de Pandemia.

Esse posicionamento estratégico também colabora no momento de definir objetivos futuros. Mas, afinal, como estabelecer metas em tempos de crise? Como dito ao longo do artigo, é necessário mais que estratégia. É vital criatividade e análise de mercado também. Esse é um combo que não deixará a empresa sem perspectiva.

Se você quiser garantir a boa estruturação e acompanhamento das metas. Utilize um software! Conheça o ImpulseUP!

Deixe um comentário

Tiago Marques

Tiago Marques

Especialista em desenvolvimento de novos negócios, com experiência em Gestão de Desenvolvimento. Já estruturei e treinei times de Growth principalmente em startups, além de facilitar vários projetos estratégicos de Gestão de Desempenho e Performance com base em metodologias ágeis.
Atualmente, sou Customer Success na ImpulseUP e já auxiliei no aumento do desempenho de mais de 2.000 colaboradores por todo o Brasil e em alguns países da América Latina.