Blog ImpulseUP

Liderança e gestão de pessoas: como se relacionam?

Diante de vários departamentos em uma empresa, liderança e gestão de pessoas acabam seguindo caminhos diferentes em relação aos colaboradores. No entanto, o ideal é que esses profissionais se complementem, ou seja, trabalhem em conjunto para que a cultura organizacional da organização seja perpetuada.

Mas como esses profissionais podem se complementar? Fizemos esse texto para debater o tema.

Líderes x RH

Ao contrário daquele chefe carrasco que ninguém gosta, os líderes, além de serem profissionais com cargos de supervisão e coordenação, possuem o perfil e técnicas para lidar com as pessoas às quais gerencia.

Dentre suas atribuições estão: assumir responsabilidades, agir de forma coletiva, ser comprometido com seus projetos e dar feedbacks periódicos. Além disso, possuir uma comunicação adequada, estar disposto a aprender, promover a integração, estimular ambiente de equipe e crescimento mútuo, dentre muitas outras.

A pesquisa Carreira dos Sonhos, realizada em 2019, pela Companhia de Talentos e publicada em 13 de abril de 2020 no artigo “Este é o traço essencial das lideranças que sabem enfrentar uma crise” da revista Exame , revelou que apenas 37% dos profissionais brasileiros confiam em seus gestores.

Despertar essa relação de confiança engloba saber ouvir e levar em consideração o que foi falado, é confiar nas atividades que os colaboradores praticam fora da empresa, é dar oportunidades que nem eles acreditariam ser possíveis de alcançar.

Assim como o Cauê de Oliveira, que limpava banheiros em um resort de luxo, recebeu a oportunidade de apresentar suas ideias para o presidente do local, o líder precisa acreditar que seus colaboradores podem dar um passo maior na carreira.

O líder deve inspirar confiança nos colaboradores.

Associado ao líder, mas com uma visão mais macro, o RH está focado na gestão de pessoas e cuida desde do recrutamento, da contratação ao treinamento da equipe, até o acompanhamento do desenvolvimento profissional dos colaboradores.

É ele que realiza também as pesquisas de clima, trabalha a cultura organizacional dentro do negócio e identifica problemas e gargalos que afetam diretamente a produtividade e o desempenho de todos os profissionais que geram resultados para o empreendimento.

O RH deve se apoiar em estratégias alinhadas aos objetivos da empresa.

Portanto, de um jeito simples, o RH possui uma visão macro e organizacional, visando diagnosticar a empresa e intervir nos pontos necessários. O líder, com todas as suas habilidades e uma visão mais profunda do micro, motiva a sua equipe para o trabalho e traz insights para os recursos humanos.

Mesmo que de formas diferentes, o foco de ambos é no desenvolvimento de pessoas na organização, mas nem sempre esses dois grupos, gestores e RH, andam juntos. Na verdade, esse é um dos desafios que as empresas enfrentam no dia a dia.

Às vezes, os gestores não reconhecem que desenvolver as pessoas também é o seu papel e atribuem essa função apenas aos recursos humanos, o que está completamente errado. Logo, a falta de comunicação e alinhamento entre eles pode gerar confusões e muita desorganização no ambiente de trabalho.

Como se dá o relacionamento entre eles?

Em uma pesquisa realizada pelo Grupo Empreenda, 71% das empresas dizem não terem líderes suficientes, em quantidade e qualidade, para garantir a execução estratégica das empresas nos próximos anos.

O estudo mostra também que as empresas não acreditam que seus modelos de gestão estejam adequados. 27% das organizações acredita ser preciso reinventar o modelo atual e mais de 70% dizem necessitar, ao menos, fazer algum ajuste.

Na maioria das empresas, o relacionamento entre os gestores e o RH é distante. Isso se dá pela correria do dia a dia e por ambos, mesmo que com objetivos iguais, usarem técnicas diferentes com seus colaboradores. Erroneamente, ambos aplicam o que acham melhor e necessário e isso gera desencontro de informações e muita desorganização.

Esse comportamento afeta diretamente os colaboradores, que percebem a falta de alinhamento na empresa e ficam desmotivados conforme o tempo passa. Mas essa situação pode ser revertida, já que um complementa o trabalho do outro. Líderes e recursos humanos precisam andar de mãos dadas em uma organização.

Antes de falarmos sobre como transformar essa realidade que hoje está longe do ideal, apresentaremos os benefícios que a união entre eles podem trazer.

Vantagens de uma boa relação entre ambos

Aumento na motivação, produtividade e engajamento da equipe

Um líder por si só tem a função de motivar e engajar a equipe nos projetos e objetivos da empresa. No entanto, se os gestores recebem orientações estratégicas dos recursos humanos, o aumento dessas características se tornam perceptíveis.

Nesse cenário, o RH pode investigar o perfil de cada colaborador e traçar estratégias de comunicação que consideram com cada personalidade. Junto com o gestor, podem transmitir estratégias de negócio e fazê-los desenvolver a visão de propósito que todo colaborador precisa adquirir. A partir daí, com funcionários motivados e engajados, a produtividade também aumenta.

Redução dos índices de rotatividade

Nenhum colaborador se sente a vontade de trabalhar em um ambiente cuja gestão de pessoas seja ineficiente, muito menos com a presença de gestores que se baseiam na ‘camaradagem’ e não no profissionalismo. Portanto, quando há uma relação boa entre líderes e RH, isso reflete diretamente na qualidade do trabalho diário, tornando o espaço um lugar melhor. Com isso, os índices da taxa de turnover diminuem drasticamente.

Melhoria nos processos de gestão

Nem sempre o RH se encontra próximo dos funcionários para saber o que se passa com cada um. ao contrário dos gestores, que conhecem melhor e convivem mais com seus subordinados diariamente. Quando há uma relação boa entre líder e RH, estes podem abordar de uma melhor forma o que pode ser modificado ou não. O líder entrega seu feedback e junto com o RH pode tomar decisões mais assertivas.

Como unir liderança e gestão de pessoas?

Avaliação de desempenho

A avaliação de desempenho, processo recorrente aplicado pelo RH aos funcionários para medir suas competências, pode e deve ter o auxílio dos gestores dos departamentos empresariais. Isso porque essa avaliação une os objetivos em comum dos dois polos, recursos humanos e líderes.

Nesse caso, os gestores, por conhecerem bem seus subordinados, podem auxiliar no processo para que ele seja eficaz e preciso. Sem falar que, os próprios líderes podem ser submetidos pelo RH à avaliação de desempenho periodicamente. Esse processo, visa desenvolver as competências dos líderes e gestores, melhorando a gestão da empresa.

Para garantir que haja tempo disponível para traçar as estratégias e ações de desenvolvimento de competências é necessário evitar que a parte técnica não dê dor de cabeça. Para isso você pode fazer uso da tecnologia com ferramentas como, por exemplo, o ImpulseUp, um sistema completo com Avaliações, PDI, Nine Box, Feedback e Diversos relatórios.

Alinhamento de objetivos

Quando a avaliação de desempenho é concluída, geralmente o RH aplica os planos que cada colaborador deve seguir para desenvolver suas competências. No entanto, se os gestores participarem desse processo e decidirem junto com o recursos humanos os caminhos a serem seguidos, a chance de acertar nesses planos é muito maior.

E por que isso? Porque com a ajuda de ambos, a criação de PDIs – Plano de Desenvolvimento Individual se torna mais personalizada e o colaborador percebe todo o esforço por trás daquele trabalho. Isso deixa os funcionários com o sentimento de valorização dentro da organização, o que pode aumentar sua vontade de realizar os planos propostos.

Por isso, é de extrema importância que tanto os líderes quanto os recursos humanos participem desses projetos. União e comprometimento podem trazer resultados incríveis.

Conclusão

Como falado no texto, liderança e gestão de pessoas se complementam justamente porque ambos possuem o foco no desenvolvimento dos colaboradores. No entanto, um de forma mais ampla no caso do RH e o outro de forma mais direta e frequente, no caso do gestor.

Além disso, vale salientar que o RH deve dar suporte para que os gestores sejam boas lideranças, inclusive, com o desenvolvimento de líderes. Juntos podem mudar a realidade da empresa e deixá-la muito mais simples, precisa e com exemplos que serão adquiridos pelos colaboradores.

Deixe um comentário