Blog ImpulseUP

Absenteísmo: o que é e como lidar?

Durante a gestão de recursos humanos, eventuais adversidades surgem ao longo do percurso, como o absenteísmo no trabalho. Além de comprometer significativamente os resultados da organização, esse fenômeno ainda demonstra que algo não vai bem com os funcionários, com a instituição ou na interação entre eles.

Não é segredo para nenhum profissional de RH que o sucesso da empresa dentro de um mercado cada vez mais competitivo está intimamente ligado com o comprometimento e a produtividade dos colaboradores na organização, não é mesmo?

Por isso, abordaremos a seguir mais detalhes sobre o que é e como lidar com o absenteísmo. Ao continuar a leitura, você vai conhecer os impactos do absenteísmo e aprender como solucionar de uma vez por todas essa questão.

O que é Absenteísmo?

O termo absenteísmo vem do latim absens e significa “estar ausente, afastado ou fora de algo”.

Logo, dentro da organização, absenteísmo refere-se a ausência ou conduta faltosa prolongada, repetida e não esperada de determinados funcionários.

Esse fenômeno é multifatorial, ou seja, tem várias causas. Entre as justificativas desse comportamento, estão: falta de motivação, doenças e enfermidades, motivos familiares e pessoais, dificuldades financeiras e/ou de transporte até o local de trabalho, dentre outros.

Absenteísmo versus Presenteísmo

Há ainda o presenteísmo que, ao contrário do absenteísmo, acontece quando o funcionário está fisicamente no ambiente de trabalho, mas apresenta limitações físicas ou psíquicas que reduzem sua capacidade de produzir.

Na verdade, esse efeito está mais presente nas empresas do que se imagina: De acordo com uma pesquisa da Workfront, empresa de softwares dos EUA, que questionou os próprios funcionários sobre horas de trabalho e produtividade, somente apenas 39% do expediente é realmente produtivo.
Ou seja, não é porque o colaborador está na estação de trabalho que ele está trabalhando.

Segundo estudo, dor, desconforto, qualidade de sono comprometida, estresse são alguns fatores associados ao presenteísmo.

Quais são os impactos do absenteísmo?

Como a empresa não terá o profissional à disposição, inúmeras consequências podem surgir. É o caso de:

  • Aumento de horas de trabalho para outros membros da equipe;
  • Despesas com contratos temporários para suprir a ausência do colaborador afastado;
  • Perda de prazos e consequentemente a insatisfação dos clientes.

Essas consequências estão diretamente ligadas a gastos para a diretoria e por isso são impactos tão grandes. Nos Estados Unidos, por exemplo, o custo do absenteísmo nos é de mais de 40 biliões de dólares por ano. Porém, nem sempre o desligamento do funcionário é a melhor opção.

Isso porque esse processo tem desdobramentos burocráticos, remanejamentos e contratação de novos colaboradores, gerando custos que podem ser driblados se outras medidas forem tomadas.

Então, é preciso estudar o perfil dos colaboradores a fim de compreender seu comportamento é essencial para manter um ambiente organizacional agradável. Essa é uma forma de evitar problemas futuros e também sanar os contratempos atuais.

Nesse sentido, o RH precisa investir em formas de entender as necessidades de cada colaborador e empenhar-se para desenvolvê-lo. A partir de um conjunto de estratégias, é possível manter os colaboradores engajados e satisfeitos, além de diminuir a taxa de turnover (rotatividade dos funcionários de uma empresa).

No caso dos que moram muito longe do trabalho, por exemplo, uma alternativa pode ser proporcionar um horário mais flexível ou trabalho remoto, de modo que seja positivo para ambas as partes, mas entendendo as condições do colaborador, e as adequando o máximo possível.

O que leva ao absenteísmo?

O clima organizacional pode revelar as justificativas de episódios de absenteísmo. É possível que certos colaboradores perturbem o bem-estar do grupo; ou que funcionários da empresa estejam insatisfeitos com a forma de tratamento interna; ou ainda que há uma distribuição de tarefas incorreta que sobrecarrega uns em detrimento de outros; dentre outras possibilidades.

Ou seja, é fundamental que a empresa adote um posicionamento acolhedor, organizado e positivo, afinal, caso contrário, a tendência é que as pessoas se sintam desmotivadas e insatisfeitas neste ambiente.

É claro que existem casos isolados em que a saúde dos colaboradores está comprometida e por isso, necessita de cuidados especiais, o que justifica a necessidade de se ausentar diariamente.

Isso é mais comum principalmente em cargos que exigem esforços repetitivos. Porém, de qualquer forma, é possível que essa justificativa possa ser utilizada como argumento para cobrir um outro problema.

Por isso, cultivar uma boa relação interna com e entre os funcionários é crucial para evitar esse tipo de situação.

Dentro desse contexto, surge a grande questão: Qual a forma mais eficiente para evitar esse tipo de episódio? Primeiramente, cabe ao gestor de RH adotar estratégias eficazes capazes de trazer impactos positivos ao seu negócio!

Como lidar com o absenteísmo?

É importante entender o porquê de os colaboradores estarem faltando ao trabalho. Aqui, apresentamos algumas ações que você, RH, pode propor para lidar o absenteísmo:

Invista em feedbacks constantes

Uma maneira de mensurar o desenvolvimento individual e corrigir os pontos negativos de um determinado colaborador é adotando feedbacks constantes.

Além de gerar valor para a empresa na visão do funcionário, a cultura de feedback reduz notadamente os índices de absenteísmo, reforçando a importância do comprometimento mútuo para o crescimento da organização.

O feedback, para ser efetivo, precisa ser emitido em local adequado e ter a estrutura adequada. Verifique aqui alguns modelos. Sabemos que muitas organizações têm o dia a dia corrido. Por isso, a cultura de feedback pode ser altamente influenciada pelos feedbacks escritos. No impulseup, existe um lugar específico para que os feedbacks sejam feitos a qualquer momento, basta ter acesso à Internet.

Além disso, o RH também pode acompanhar os feedbacks dos colaboradores, analisando e percebendo tendências de comportamento que podem ajudar a identificar possíveis causas de absenteísmo.

Crie metas relevantes

Uma boa alternativa para reduzir o absenteísmo nas empresas é a criação de metas específicas para cada colaborador. Essa metas devem ser relevantes para o resultado da equipe a fim de que o colaborador desenvolva uma responsabilidade coletiva.


Assim, as tarefas do colaborador passam a interferir nos resultados do grupo e da empresa, o que causa um dever de comprometimento e responsabilidade.

Um método muito utilizado por grandes empresas do Vale do Silício como o Twitter, Linkedin, Dropbox e Airbnb, é o OKR (Objectives and Key Results – Objetivos e principais resultados), criado pelo ex-CEO da Intel Andrew Grove. Com essa técnica, é possível dividir os objetivos da empresa em resultados-chave menores, calculáveis e que podem ser acompanhados.

Além disso, também é possível fazer um “cascateamento de objetivos”. Assim, os objetivos da empresa tornam-se objetivos-pai dos OKR das áreas, que são atrelados, por sua vez, aos objetivos individuais. Assim, a visualização da necessidade e importância da contribuição de cada colaborador fica mais clara.

É importante que os colaboradores sejam lembrados da importância do seu trabalho, seja por reconhecimento, seja por gestão à vista. No impulseup, a visualização dos OKR atrelados uns aos outros acontece da seguinte maneira:

Saiba mais detalhes neste artigo: OKRs: aprenda a usar o método de gestão do Vale do Silício

Proponha planos de desenvolvimento individual (PDI)

Os PDI são propostas que focam nas oportunidades de desenvolvimento de cada colaborador. Ele pode ser completamente personalizado, respeitando a forma como cada sujeito aprende. Por isso, para montar um PDI, é preciso que estejam presentes o funcionário, sua liderança e o RH.

Dentre suas principais vantagens, temos: maior produtividade, motivação, maior probabilidade de que as metas sejam cumpridas, aproximação entre colaborador e liderança e mais organização.

Quando falamos de organização, é preciso que os PDI estejam sempre alinhados aos feedbacks, metas e avaliações de desempenho dos colaboradores. Além disso, tê-los anotados também é uma boa ideia. No impulseup, os PDI, assim como os feedbacks e as metas, podem ser acessados de qualquer aparelho celular ou computador com acesso à Internet. Veja um exemplo:

Realize avaliações de desempenho (AD) periódicas

As avaliações de desempenho permitem ao colaborador identificar com precisão quais são seus pontos fortes e suas oportunidades de desenvolvimento em relação às competências essenciais para o desenvolvimento do trabalho.

Ademais, esse recurso permite atuar sobre o clima organizacional, que é um fator determinante para o absenteísmo. Avaliações de desempenho regulares permitem analisar competências técnicas e comportamentais dos colaboradores da empresa. Com essa técnica, é possível julgar o valor, a excelência e a qualidade de um colaborador e sua contribuição para o negócio da organização.

Além de auxiliar a identificar as competências mais relevantes que precisam ser desenvolvidas em um indivíduo ou equipe, as avaliações de desempenho aumentam a produtividade nas equipes, contribuem para um ambiente de trabalho mais participativo, aumenta o comprometimento dos colaboradores, entre outros.

Os relatórios dos resultados das avaliações de desempenho gerados pelo impulseup são muito visuais, facilitando o seu entendimento. Veja só:

As avaliações de desempenho também podem ser utilizadas para identificar o perfil comportamental dos colaboradores, para então formar equipes completas e cada vez mais produtivas.

Plano de carreira

Um bom plano de carreira pode ser um atrativo para os colaboradores que buscam desenvolvimento da carreira e sucesso profissional.

Empresas que não desenvolvem esse tipo de programa podem enfrentar atrasos, queda de produtividade, faltas, desmotivação, mau relacionamento com os colegas e insubordinação por parte dos empregados.

Em contrapartida, quando o colaborador tem um plano de carreira, ele sabe que pode contar com a empresa no futuro e, por isso, a empresa provavelmente poderá contar com ele também. Nesse sentido, cabe aos gestores e ao RH dar-lhes ferramentas para que consigam traçar seu caminho na organização.

Avaliações de desempenho e feedbacks constantes que permitam ao RH identificar os gaps que os colaboradores precisam preencher para alcançar novas posições atuam impulsionando fortemente o desempenho de cada um deles, que tendem a se engajar cada vez mais no trabalho.

Adote políticas de reconhecimento

Sem dúvidas, a falta de reconhecimento é um dos principais fatores que são responsáveis pela desmotivação dos colaboradores. Com isso, eles tendem a produzir menos e com menor qualidade e por consequência, faltar no serviço.

Por isso, é indispensável adotar políticas de reconhecimento voltadas para as necessidades e a percepção de valor dos funcionários. Sendo assim, cada organização deverá desenvolver esse programa individualmente com base no perfil e comportamento da equipe.
Entre os benefícios comumente oferecidos pela empresa, estão:

  • Bonificação sobre metas batidas;
  • Day off (folgas);
  • Viagens;
  • Promoções.

Conclusão

É possível partir do princípio que o absenteísmo pode ser mais que uma simples ausência.

Existem inúmeros motivos que ocasionam esse comportamento, incluindo a satisfação no trabalho, pois, muitas vezes, a ausência é a saída para evitar desconforto e situações indesejáveis.

Por esse motivo, é fundamental bater na tecla do desenvolvimento do funcionário, além de entender os motivos de suas atitudes. Ao fazer isso, automaticamente toda a companhia é beneficiada, já que o colaborador se sente motivado e agrega ainda mais valor à organização, gerando mais produtividade e lucratividade.

Pensando nisso, que tal ler nosso artigo “Desenvolvimento de pessoas: case Facebook”? Nele, falamos sobre como o Facebook utilizou a avaliação de desempenho para o desenvolvimento dos funcionários, contando com igualdade, transparência e desenvolvimento.

Deixe um comentário